Conheça a relação entre eficiência, agilidade e modo Mindfulness

Sempre acreditei e comprovei em mim mesma a máxima oriental: “calma por dentro e rápida por fora.” Como também experimentei muitas vezes, em mim mesma: “acelerada por dentro, estabanada por fora.”


Todos sabemos que quando estamos em um “estado de presença” da mente significa que toda nossa energia está atenta e focada. Está claro para todos nós que foco e  estabilidade aumentam tremendamente a rapidez e a eficiência. Não duvidamos disso.


O que não está claro é: por que mesmo sabendo disso não estamos todos praticando o modo mindfulness ou “atenção plena”?

O que nos impede de praticar mindfulness é o mesmo que nos impede de nos manter em um “estado de presença”, por um tempo mais largo: nossa mente agitada, nosso equívoco de que correndo e acelerando faremos mais, ganharemos mais,  alcançaremos mais, seremos mais….. Que lógica mais ilógica a nossa!!

 

Ter uma mente focada, presente, atenta, sem tensão é criar o contexto propício para a expansão e o bem-estar. Uma mente assim é o campo necessário para nosso potencial se expressar. Uma mente assim cria um campo energético à sua volta que atrai as pessoas e as situações propícias. Uma mente assim tem capacidade de empatia e  de compaixão,
sendo firme sem esforço, simplesmente porque está ancorada em um estado de liberdade e espontaneidade.


Nossa mente, como diz Fred Kofman, é base de todas as nossas experiências, mas não está naturalmente treinada para nenhum tipo de expansão e muito menos plenitude. Está fortemente treinada para a segurança e a sobrevivência. Treinamento feito há milhares de anos desde nossos ancestrais das cavernas. Esse treinamento estabelecido em nossa mente nos faz muitas vezes confundir segurança com felicidade, sobrevivência com bem-estar, por funcionarmos em um modo automático.


Nesse mundo altamente incerto e complexo em que estamos, mais do que nunca precisamos acelerar o desenvolvimento de uma mente consciente, uma mente em modo mindfulness. Uma mente capaz de sobrepor o piloto automático que temos cabeado em nossos cérebros, para fazermos contato com o potencial que existe além do automatismo.

Como estabelecer nossa mente nesse patamar de mais consciência, que nos faz mais inteligentes, compassivos, eficientes e ágeis?


Existe uma fórmula que não tem um efeito mágico instantâneo, mas se repetida com intenção e determinação realiza uma mágica, chama-se: PRÁTICA DIÁRIA.


Por que “prática diária”? Porque precisamos fortalecer em nosso cérebro um novo caminho neural e isso leva tempo. Você já introduziu alguma prática corporal sem algum tempo significativo de esforço continuado? Pois com nosso cérebro é o mesmo. O “modo mindfulness” é uma ginástica para nossa mente/cérebro. Através dela criamos músculos de foco e atenção plena em nosso cérebro. Através dela desenvolvemos “autoliderança de nossa mente”.


Por que não saímos correndo para fazer isso? Porque demanda esforço e compromisso com um benefício a longo prazo e estamos cada vez mais acostumados a gratificações imediatas. Gratificações rápidas satisfazem nosso sistema límbico cerebral. Gratificações de longo prazo necessitam mais energia, e quando o benefício a ser alcançado não está suficientemente claro, não conseguimos bloquear a ação de nosso sistema límbico. Como começar a praticar? Existe alguma ferramenta básica?

Sua respiração. Crie intimidade com sua respiração. A respiração consciente conecta você com seu interior. O foco no movimento da respiração desloca sua mente da agitação superficial para um nível de tranquilidade que já existe em você. Com menos agitação em sua mente, a ansiedade e a tensão se dissolvem, e sua energia não se dispersa mais para todo o lado. Quando sua energia está concentrada sua eficácia e agilidade aumentam.


Traga sua mente para o movimento de sua respiração. Inspire profundo, expire suave inflando o abdômen. Enquanto inspira conte mentalmente 1,2,3, faça uma pausa contendo o ar e percebendo essa sensação, expire suavemente contando mentalmente 1,2,3,4,5,6, faça uma pausa sustentando sem ar e percebendo essa sensação, e recomece o processo: inspiração de 3, pausa, expiração de 6, pausa. Quando pratica essa respiração seus sistemas simpático e parassimpático entram em sintonia e você pode experimentar um estado de tranquilidade e ao mesmo tempo de foco e atenção plena. Talvez você não tenha ideia do impacto que uma respiração assim produz em seu corpo e sua mente.


Sua respiração pode ser uma âncora para resgatar o seu centro quando você desestabiliza diante de algum desafio ou situação que lhe cause stress. Eficiência e agilidade podem conviver com calma e serenidade.

Berenice Kuenerz

Quer ter acesso a muito mais conteúdos sobre autoconhecimento, autoliderança e gestão emocional?

CONECTE-SE COMIGO

CONTATO

Newsletter